Thursday, September 28, 2006

Cabeleireiros


Devo ser a única das mulheres que detesta ir ao cabeleireiro!
É um grande frete. Só vou mesmo, porque preciso cortar e acho que não conseguiria cortar o cabelo a mim própria.
Eu detesto ir ao cabeleireiro por várias razões.
Logo, quando entramos, deparamos com um cenário de terror, vemos uma sala cheia de cabelos no chão; mulheres de rolos e de papel de alumínio na cabeça; sentimos aquele cheiro hediondo das tintas que se usam para pintar os cabelos; vemos aquelas revistas cor-de-rosa espalhadas pelas mesas, cujos títulos invaravelmente são coisas como "Separados", "Juntos", "Infeliz", "Em férias".
Depois, ficamos eternamente à espera que nos chamem, enquanto isso, já fomos suficientemente torturadas com o barulho dos secadores. Mas pronto! Lá chegamos à famosa cadeira de lavagem de cabelos. Aqui, enquanto nos lavam o cabelo podem suceder-se duas reacções da menina: ou está em dia sim e aquilo até corre bem, parecendo uma massagem; ou ela está em dia não e quase nos arranca o couro cabeludo à "unhada".

Posto isto, lá passámos para a 2ª cadeira (bem mais confortável que a 1ª, pois não temos de colocar a cadeça em nenhum sítio específico), para secar e esticar.Que tortura. Puxam-nos imensas vezes o cabelo até ele ficar liso, às vezes parece que o cérebro vai sair, de tanto puxarem! Por outro lado, enquanto torturadas, somos obrigadas a falar da nossa vida ou da vida de alguém. Ora antes de me sentar nesta 2ª cadeira, entro em pânico "em quem falar; o que vou dizer da minha vida ou de quem vou falar?". Por sorte a minha cabeleireira sabe a minha profissão e então lá fala dos filhos e da situação deles na escola, eu vou palpitando. Ufff...
No entanto, já não é mau o suficiente estarmos ali com metade de cabelo molhado e ondulado, outra metade de cabelo seco e liso, com molas de cores esquisitas na cabeça, ainda somos observadas pelas outras clientes. Às vezes apetece-me levantar da cadeira e gritar bem alto "NÃO OLHEM PARA MIM... SINTO-ME VULNERÁVEL!!!".
Mas temo que não me levassem a sério e , entre dentes, dissessem algo como "É do secador, deve estar quente de mais, está a torrar-lhe os miolos, coitada!" e continuassem como se nada fosse.

12 comments:

Pelicano said...

Quando vou ao barbeiro (nunca o mesmo) acontece-me sempre a mesma coisa. Peço para cortarem pouco e manterem o penteado. Invariavelmente cortam sempre mais do que aquilo que eu pedi.
Será que eles não entendem que se me cortarem pouco cabelo, eu volto lá mais depressa?

Anne Marie said...

Eheheheheh! Bela descrição!
Beijos!

Bem Visto said...

É uma coisa curiosa, as mulheres e os cabeleireiros: gastam imenso dinheiro, perdem imenso tempo e, salvo raras e honrosas excepções, conseguem sair de lá tipicamente pior...:-)

E isto já para não falar de todas as decisões, mais curto, mais comprido, escadeado, madeixas e sabe deus q mais...:-)

Ao menos, o nosso caso é simples: quer curtinho ou nem por isso? :)
Ora aí está uma das situações em q o tamanho importa...

joaninha said...

No meu cabeleireiro, as cadeiras de lavar têm massagem. Os cabeleireiros são homens. Quanto ao secador, corta o cabelo pequenino e já não precisas de secar, como eu!

minds said...

É engraçado porque eu pensava que era eu a unica mulher que detesta ir ao cabeleireiro!!
Adorei o teu post, é um testemunho bem real.
Mas por incrivel que pareça, o resto das mulheres adora perder horas no salao...

fada*do*lar said...

Posso juntar-me ao grupinho anti-cabeleireiro? Passam anos sem lá pôr os pés. Eu até "gostava de gostar", mas não consigo.
E lá vou cortando o cabelo a mim própria... Melhor ou pior, por mais que me esforce estou sempre despenteada, por isso acho que não se notam as irregularidades, eheheheh.

É a primeira vez que aqui venho e gostei imenso. Excelente humor! :-D

Ah! e adorei a caixinha de música/relógio. Posso roubar?...
Até breve!

Guizé said...

Bom, o melhor é ter cuidado com o sentido das palavras não vá o archeman aparecer e dizer que estamos a falar de uma coisa superficial.
A mim o que mais choca no caso das mulheres é o valor que se paga para se cortar o cabelo, é um balurdio e para as que gostem de ir, chegam a pagar 50/60 euros de duas em duas semanas, ou seja, é uma renda.

Blondie said...

Pelicano:
Que engraçado, onde eu vou também me fazem isso. Eu até cosumo dizer que gosto de ver cabelos compridos, para ver se a minha cabeleireira percebe... mas acaba por me cortar sempre mais do que eu gostaria:)

Anne Marie:
Obrigada :)

Bem-visto:
No meu caso até me importo!! Não gosto que me cortem muito o cabelo, acima dos ombros...nem pensar!!!! :)
Benvindo!!

Joaninha:
Sabes que cabelo curto...para mim... huuummm... não dá. Prefiro sofrer no secador!! :D

Minds:
Obrigada!!! É verdade, há mulheres que vão lá todas as semanas :O não percebo como conseguem!! Para mim é uma autêntica tortura e ainda tenho de pagar por ela!!!
Benvinda!!

Fada do Lar:
Claro que sim, assim não me sinto tão sozinha nesta causa!!! Benvinda!!!:)
Quem me dera ter esse jeito para cortar o cabelo a mim própria, assim evitava tal tortura. Coo tenho o cabelo ondulado, acho que também não se notariam as irregularidades ehehe
Claro que podes levar a minha caixinha/relógio, também quando a vi, apaixonei-me :)
Também vou dar um saltinho ao teu blog!!
Beijitos

Guizé:
É verdade... gasta-se imenso dinheiro, quando no meu caso é só para cortar!!! Não faço mais nada... custa-me tanto dar esse dinheiro!!!

FL said...

Boa descrição! Eu conheço muitas mulheres que detestam ir à cabeleireira mas também sei de muitas masoquistas ;). Este termo até já é algo retro, agora é hair styler, hair designer...
E depois há duas coisas que não entendo. Não me levem a mal mas não é verdade que habitualmente o cabelo das cabeleireiras nunca tem grande aspecto? Eu não confiava o meu cabelo a alguém que não sabe tratar do seu. E os já reparam que os cabeleireiros por norma têm um ar efeminado? Isto deve ser marketing. Se o fosse um tipo grandalhão, de barba, braços fortes e peludos, voz grossa e que tinha o futebol como assunto espantava a clientela.

Gostei muito deste post, até estava a pensar em colocá-lo no meu blog. Com a tua permissão e devidamente referenciado, obviamente.

Parabéns pelo blog

Blondie said...

Fl:
Benvindo!!

Lá está algo de bom, ao ter escrito este post! Fiquei a saber que não estou sozinha nesta aversão ao cabeleireiro. Quanto à designação, eu permaneço a defender a palavra cabeleireiro, até ao dia em que os salões mudarem de decoração, de aspecto e de atendimento; quando vir algo de facto surpreendente, então nesse dia, adopto a nova designação:)
Quanto às cabeleireiras, elas têm esse aspecto porque são cobaias umas das outras, "penso eu de que"!

Claro que dou permissão de colocares este post no teu blog. Vindo tal convite do símbolo da sapiência, o Mocho, sinto-me lisonjeada :)

FL said...

Sendo assim, vou colocá-lo no meu blog. Obrigado.
Quando era miúdo (quando digo isto sinto-me tão velho) costumava ir a uma cabeleireira no meu bairro e este post traz-me algumas belas recordações. Ora, cabeleireira de bairro nos subúrbios... É fácil adivinhar o ambiente.
Continua com a criatividade.

Blondie said...

Estou feliz que o post tenha relembrado essa tua recordação de infância :)
Obrigada!!
Beijinhos