Monday, September 24, 2007

Manias de uma Leitora

Quando estou a ler um livro gosto de sublinhar ou, simplesmente, fazer uma chamada de atenção para um determinado parágrafo, linha ou expressão.
São palavras que se conjugam brilhantemente ou que me são bastante significativas. São passos especiais para mim, os quais gosto de reter através do simples passar de um lápis ou lapiseira. É imperativo que fiquem assinaladas de alguma forma, são momentos demasiadamente belos, na sua forma ou no seu conteúdo, para serem esquecidos e lidos como os demais.
Posteriormente, gosto de relembrar e torna-se verdadeiramente engraçado aperceber-me de passagens que numa determinada altura da minha vida significaram algo e, hoje, continuam a carregar nos ombros essa importância, esse significado, esse sabor familiar. É como quem come aquele arroz-doce feito pela Avó, com o passar dos anos conseguimos saborear da mesma forma, como da primeira vez. É esse o paladar familiar da escrita significativa, é o arroz-doce da Avó.

A escrita fascina-me e os escritores atraem-me.
Os operários (opera - obra) das letras são hábeis sedutores de palavras e elas, por seu turno, oferecem-lhes um oceano de possibilidades sem limites; criando-se um jogo de empatia e cumplicidade entre o artífice e a sua matéria prima.
O resultado da perfeita simbiose atrai-me e lança-me para um universo imaginário que corre ao lado do Meu universo pessoal. Por isso sublinho os livros. A acção de sublinhar traduz-se no estabelecer um paralelo entre os dois mundos, os dois universos, o da ficção e o da realidade. Mas qual será qual? Qual será o meu? A consciência e a imaginação o ditarão....



"Da sinalização do território, o homem rapidamente passaria ao território dos sinais, dessa forma (se) instaurando uma das suas maiores conquistas. De facto, fixar valores semânticos regulares; dar significado àquilo que, por natureza, o não possui; conseguir, ainda, passar desse nível à reflexão sobre esse nível, conquiustando uma metaconsciência; passar do plano biofísico ao mundo dos constructos mentais, ao território dos símbolos... eis-nos perante comportamentos, humanos por excelência..."


Álvaro Gomes
A Força da Palavra
44:2004

9 comments:

Jaime said...

E tentar perceber tempos mais tarde o porquê daquelas partes sublinhadas anteriormente? É descobrir que crescemos, seja lá isso o que for...

Beijos

vinte e dois said...

Eu costumava fazer isso na escola nas obras integrais que tínhamos que dar. Eram apontamentos, setas, números.. Há tempos descobri "A Sibila", do meu tempo de secundário e ainda me consegui orientar no meio daqueles apontamentos meio loucos ;)

nemadz said...

Que feio!!! Os livros devem ser conservados como nos chegam às mãos, e assim os passar ao próximo leitor...

avelaneiraflorida said...

Blondie,
sabes que não sou capaz de sublinhar um livro que não seja técnico?????
Para mim o livro é tão importante que quase lhe abro as páginas com reverência...
No entanto, sei quais as frases ou os personagens que mais me marcaram...e se for às minhas pilhas, sei onde eles estão!!!
Nos livros de trabalho , sim...rabisco, mas com o sistema de post-it, de cores variadas, tenho a vida facilitada... e fico com um livro colorido!!!!!!

BOAS LEITURAS!!!!
Bjks

ME SELF said...

Olá blondie,

vim aqui (que confesso que já não vinha desde a semana passada) primeiro para ver o que havia de novo e depois porque, segundo a avelaneira, há um post no "... and This is Reality" que tu vais gostar especialmente ...

"Bolos para Festa de Tricô" ...

Depois diz o que achaste!

Tânia said...

Agora já pode encomendar produtos da avon online em http://beleza_avon.blogs.sapo.pt/
Visite...

Blondie said...

Jaime,
é mesmo isso!! E é também engraçado ver que as partes sublinhadas continuam a fazer sentido...
Beijinhos

Vinte e Dois,
eu também costumava fazer isso, mesmo já na faculdade. Fazia imensos apontamentos nas margens do livros :)
Beijinhos

Avelaneira,
pois eu acredito porque dantes também era assim! :-D era incapaz de sublinhar um livro!
Até que depois, ao querer voltar a reler certas partes da obra e ao não encontrá-las, cedi à vontade do lápis :)
Beijinhos

Me Self,
vou já lá. De facto a querida Avelaneira já me comela a conhecer bastante bem!!!
Fiquei curiosa!!
Obrigada!
Beijinhos

Tânia,
benvinda!
Obrigada pela dica.

Olavo said...

Os livros merecem toda a nossa reverencia, dai que os devemos viver, riscar, escrever, apontar, absorver até ao mais profundo amago...é um velho habito que tenho...excepto nos livros emprestados, mas as vezes da-me uma comichaozinha...

Blondie said...

Olavo,
pois, eu compreendo. Por isso evito pedir livros emprestados :-D
Também acho simpática esta interactividade com os livros!
Beijinhos