Tuesday, November 07, 2006

Fragmentos

O Recreio

Na minha Alma há um balouço
Que está sempre a balouçar-
Balouço à beira dum poço,
Bem difícil de montar...

- E um menino de bibe
Sobre ele sempre a brincar...

Se a corda se parte um dia
(E já vai estando esgarçada),
Era uma vez a folia:
Morre a criança afogada...

- Cá por mim não mudo a corda,
Seria grande estopada...

Se o indez morre, deixá-lo...
Mais vale morrer de bibe
Que de casaca... Deixá-lo
Blouçar-se enquanto vive...

- Mudar a corda era fácil...Tal ideia nunca tive...

Paris, Outubro de 1915
Mário de Sá-Carneiro
A nossa vida parece um baloiço, ora balança mais depressa, ora balança mais devagar.
Às vezes a cadência do balanço é perfeito, outras vezes o balanço entra em desequilíbrio.
Às vezes parece que vamos cair, outras vezes sabemos que estamos bem presos, bem seguros. Às vezes alguém nos empurra, outras vezes somos nós que damos o balanço necessário.
Há quem desista do baloiço e se lance num impulso para o abismo, há quem aproveite o balanço até ao final.
Às vezes o nosso balanço toca o abismo, outras vezes toca o sonho.
Inevitavelmente o tempo não pára, a corda do nosso baloiço vai-se gastando, até que um dia partir-se-á... acaba a "folia", fica a nossa obra...
Aparte: Vasco Graça Moura fala na televisão... estou feliz...

7 comments:

Lobka said...

Adoro Mário Sá Carneiro.

Um beijinho

Blondie said...

Me tooo... mas eu sou suspeita adoro os Modernistas... nas suas várias áreas...
Beijinhos

pensamentos_vagabundos said...

pois a nossa vida é mesmo um baloiço...
beijo vagabundo

Cordonbleu said...

Hum...esse baloiço pode ser numa oliveira, fito com uma tábua de madeira pelas mãos de uma avó carinhosa? É que se puder...esse baloiço é meu...também é meu.
Beijos

Blondie said...

Pensamentos Vagabundos:
Sem dúvida:)
Beijinhos

CordonBleu:
Claro... esta é uma metáfora para a vida humana. Adorei a tua imagem, com a avó carinhosa a empurrar, muito bonita e ao mesmo tempo recheada de significado, verdade?
Beijinhos

Emilia said...

A vida é mesmo um baloiço.Gostei muito do texto. Agora o poema ' o indez morrer de bibe' até me deu arrepio. Coisas de avó...
Bjinhos.

Blondie said...

Mário de Sá Carneiro usa muito o campo semântico da infância. Neste poema ele prefere que morra o menino, pois ainda é inocente, não está corrumpido do que já em adulto cheio de vícios e pecados. Claro que é assustador :O